EZLN | TERCEIRA PARTE: A MISSÃO

*Traduzido pela Editora Terra Sem Amos | Revisado pela Teia dos Povos

Como a Defesa Zapatista tenta explicar a Esperança qual é a missão do Zapatismo e outros felizes raciocínios.

“Bem, daqui eu vou explicar algo muito importante. Mas você não pode anotar, apenas mantenha isso na sua cabeça. Porque o caderno você pode deixar em qualquer lugar, mas a cabeça você tem que carregar o tempo todo”.

Defesa Zapatista anda de um lado para o outro, como dizem que o finado fazia quando explicava algo muito importante. Esperança está sentada em um tronco e, prevendo, colocou um nylon sobre a madeira molhada, florindo com musgo, cogumelos e galhos secos.

“Vamos olhar para o lugar onde chegamos com a luta”, diz Defesa Zapatista, apontando com suas mãozinhas para lugar nenhum.

Esperança está pensando em uma resposta, mas é claro que Defesa fez uma pergunta retórica, ou seja, ele não está interessada na resposta, mas sim nas perguntas que se seguem à primeira pergunta. De acordo com ela, Defesa Zapatista está seguindo o método científico.

“O problema, portanto, não é chegar, mas fazer um caminho. Isto é, se não há caminho, então deve ser feito, porque se não, como”, a menina empunha um facão que, não se sabe de onde veio, mas certamente em alguma barraca eles estão procurando por ele.

“Portanto, o problema mudou, e o mais importante é o caminho. Porque se não há caminho para onde você quer ir, isso não lhe preocupa. Então, o que vamos fazer se não houver caminho para onde vamos”?

Esperança responde com satisfação: “Esperamos que a chuva pare, para não nos molharmos quando fizermos nosso caminho”.

Defesa arruma o cabelo – e estraga o penteado que suas mamães levaram meia hora para montar – e grita: “Não!”

Esperança duvida e arrisca: “Eu sei: mentimos para Pedrito que há doces para onde vamos, mas não há caminho e ele vai ver quem faz um caminho primeiro, porque fica preso com os doces”.

Defesa reage: “Vamos pedir o apoio dos coletores homens? De jeito nenhum. Vamos fazer isso como as mulheres que somos”.

“Certo”, diz Esperança, “e de repente há chocolates”.

Defesa prossegue: “Mas e se nos perdêssemos quando estamos abrindo o caminho?”

Esperança responde: “Gritamos por socorro? Lançamos um foguete ou tocamos o caracol para que eles ouçam na aldeia e venham nos resgatar?

Defesa entende que Esperança está levando o assunto ao pé da letra e, além disso, está conquistando o consenso do resto do público. Por exemplo, o gatochorro está agora recontando seus bigodes, imaginando a panela cheia de chocolates no final do arco-íris, e o cavalo choco suspeita que talvez haja também milho com sal e a panela esteja transbordando com garrafas plásticas. A Calamidade ensaia a coreografia elaborada pelo SupGaleano, chamada “pas de chocolat”, que consiste em descer, em modo “rinoceronte”, sobre a panela.

Elías Contreras, por outro lado, desde o primeiro questionamento, tirou sua lima e afiou seu facão de dupla face.

Além disso, um ser indefinido, extraordinariamente semelhante a um besouro, carrega uma bandeira que diz: “Chame-me Ismael”, discute com o velho Antônio as vantagens da imobilidade em terra, e assim argumenta: “Sim, meu caro Queequog, não há baleia branca que se aproxime do porto”. O ancião indígena e zapatista, um professor involuntário da geração que pegou em armas em 1994, fabrica um cigarro com um dobrador e escuta atentamente os argumentos do bichinho.

A menina Defesa Zapatista assume que, assim como as ciências e as artes, ela está num lugar difícil, onde é mal compreendida: como um pas de deux [passo de dois, como no balé] esperando um abraço para as pirouettes e o mantém para um porté; como um filme preso em uma lata, esperando um olhar para resgatá-lo; como um porto sem barco; como uma cumbia pendurada nos quadris que lhe dá vocação e destino; como na canção de Cigala, côncavo, mas sem convexo; como Luz Casal indo ao encontro da flor prometida; como Louis Lingg sem as bombas do punk; como Panchito Varona procurando um acorde, um abril roubado; como um ska sem slam; como um sorvete de nozes sem um Sup para fazer-lhe as honras.

Mas Defesa é defesa, mas é também Zapatista, portanto nada que nada, resistência e rebeldia, e com o olhar busca a ajuda do Velho Antônio.

“Mas as tempestades não respeitam nada: o mesmo no mar e na terra, no céu e no chão. Até mesmo as entranhas da terra se retorcem e sofrem humanos, plantas e animais. Não importa que cor, que tamanho, que forma”, diz o velho Antonio em voz abafada.

Todos permanecem em silêncio que é metade respeito, metade terror.

O velho Antonio continua: “As mulheres e os homens vêm de se abrigar dos ventos, das chuvas e dos solos rompidos, e esperar que passe para ver o que restou e o que não restou”. Mas a terra faz mais porque se prepara para mais tarde, para o que se segue. E em seu abrigo, começa a mudar. A mãe terra não espera até que a tempestade termine para ver o que fazer, mas antes de começar a construir. É por isso que os mais sábios dizem que a manhã não só chega e aparece de repente, mas já está à espreita nas sombras e quem sabe olhar, encontra-a nas fendas da noite. É por isso que os homens e mulheres do milho, quando semeiam, sonham com a tortilha, o atole, o pozol, o tamale e o marquesote. Ainda não há nenhum, mas eles sabem que haverá, e é isso que comanda seu trabalho. Eles olham para seu trabalho e veem os frutos antes mesmo que a semente toque o chão.

Os homens e mulheres do milho, quando olham para este mundo e suas dores, também olham para o mundo que terá que ser levantado e fazem de seu caminho um só. Eles têm três olhares: um para o passado, um para o presente, e um para o futuro. Assim, eles sabem que estão semeando um tesouro: o olhar.

Defesa acena com entusiasmo. Ela entende que o velho Antonio entende o argumento que não consegue explicar. Duas gerações distantes no calendário e na geografia constroem uma ponte que vai e vem… como as estradas.

“Certo!”, a garota quase grita e olha carinhosamente para o ancião.

E ela continua: “Se já sabemos para onde estamos indo, significa que já sabemos para onde não queremos ir. Então, a cada passo nos afastamos de um lado e nos aproximamos do outro. Ainda não chegamos lá, mas o caminho que estamos tomando já está nos levando a esse destino. Se quisermos comer tamales, não vamos plantar abóboras”.

O público inteiro faz um gesto compreensível de repugnância, imaginando uma sopa de abóbora horrível.

“Vencemos a tempestade com o que sabemos, mas já estamos preparando o que se segue. E estamos preparando isso agora mesmo. É por isso que temos que levar a palavra para longe. Não importa se quem disse que não está mais lá, mas o que importa é que a semente chegue em boa terra e que, onde já existe, ela se desenvolva. Em outras palavras, apoio. Essa é nossa missão: ser uma semente que busca outras sementes”, diz a Defesa Zapatista e, dirigindo-se a Esperança, pergunta: “Você entendeu?

Esperança se levanta e, com toda a solenidade de seus nove anos, responde com seriedade:

“Sim, é claro que entendi que vamos morrer miseravelmente”.

E, quase imediatamente, ele acrescenta: “Mas vamos fazer valer a pena”.

Todos aplaudem.

Para reforçar o “valha a pena” de Esperança, o velho Antonio tira uma bolsa de chocolates que ele chama de “besitos” de sua sacola.

O gatochorro tem uma boa quantidade na pata e o cavalo choco prefere continuar com sua garrafa plástica.

Elias Contreras, a comissão de inquérito do EZLN, repete silenciosamente: “façamos valer a pena”, e envia seu coração e sua mente ao irmão Samir Flores e àqueles que enfrentam, apenas com dignidade, o barulhento ladrão de água e vida que se esconde atrás das armas do capataz, aquele que esconde em suas palavras a obediência cega que deve ao Mandón: primeiro o dinheiro, depois o dinheiro, dinheiro no final. Nunca justiça, liberdade muito menos, jamais a vida.

O pequeno inseto começa a falar sobre como uma barra de chocolate o salvou de morrer na estepe siberiana enquanto ele ia das terras Sami – onde o Yoik cantava – para o território do Selkup para honrar o Cedro, a árvore da vida. “Fui aprender, é para isso que servem as viagens”. Porque existem resistências e rebeldias as quais, ainda que distantes em calendários e geografias, não são menos importantes e heroicas”, diz ele ao libertar o chocolate de sua prisão de folha de alumínio brilhante com suas muitas perninhas, aplaude e dá uma mordida, tudo ao mesmo tempo.

Por sua vez, Calamidade entendeu bem que é preciso pensar no que vem a seguir e, com o chocolate enlameado em suas mãozinhas, ela declara entusiasticamente: “Vamos jogar pipoca!

Do Centro de Treinamento Zapatista de Terras Marítimas.

O SupGaleano dando o workshop “O Vômito Internacionalista”.

México, dezembro de 2020.


Do caderno de anotações do gatochorro: O tesouro é o outro.

“Quando terminou, lentamente ele me olhou com seu único olho e disse: ‘Don Durito estava esperando por você’. Saiba que eu sou o último dos verdadeiros piratas que vivem no mundo. E digo ‘verdadeiros’ porque agora há um número infinito de ‘piratas’ que roubam, matam, destroem e saqueiam dos centros financeiros e dos grandes palácios do governo, sem tocar em mais água do que a da banheira. Aqui está a missão deles (ele me dá um arquivo de pergaminhos antigos). Encontre o tesouro e coloque-o em segurança. Agora me desculpem, mas eu tenho que morrer. E ao dizer isto por último, ele deixou cair a cabeça sobre a mesa. Sim, ele estava morto. O papagaio pequeno voou e saiu de uma janela dizendo: “Vou para o exílio de Mytilene, vou para o filho bastardo de Lesbos, vou com orgulho para o Mar Egeu. Abra seus nove portões temido inferno, pois ali o grande Barbarossa descansará. Ele encontrou alguém para seguir seus passos e agora ele dorme e fez do oceano apenas uma lágrima. Com o Escudo Negro, navegará agora o orgulho dos verdadeiros Piratas”. Sob a janela estava o porto sueco de Gotemburgo e à distância uma nyckelharpa chorava…”.

Don Durito de La Lacandona. Outubro de 1999.


Seção: três delírios, dois grupos e um amotinado

Se seguimos a rota do Almirante Maxo, creio que chegamos mais rápidos se formos caminhando pelo estreito de Bering

Por ovários não paramos

Já está aí o mortor, só falta… o barco?!

A tripulação I

A tripulação II

Não temos ainda barco, mas já há quem encabece um motim à bordo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s